Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, Vol. 11, No 2 (2010)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Digestão intestinal da proteína de forrageiras e co-produtos da agroindústria produzidos no Nordeste Brasileiro por intermédio da técnica de três estágios

Elzania Sales Pereira, Patrícia Guimarães Pimentel, Labib Santos Duarte, Arturo Bernardo Selaive Villarroel, José Gilson Lousada Regadas Filho, José Nery Rocha Júnior

Resumo


A pesquisa objetivou estimar a digestibilidade intestinal (DI) da proteína não-degradada no rúmen (PNDR) de alimentos por intermédio da técnica de três estágios. As forragens avaliadas foram algaroba (Prosopis juliflora), canafístula (Pithecellobium multiflorum), flor-de-seda (Calotropis procera), jitirana (Ipomea sp.), juazeiro (Ziziphus joazeiro), mata-pasto (Senna obtusifolia), sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia Benth), palma gigante (Opuntia ficus indica) e xique-xique (Cereus gounellei), bem como, os co-produtos do abacaxi (Ananas comosus L.), acerola (Malpighia emarginata), caju (Anacardium occidentale), coco (Cocos nucifera L.), melão (Cucumis melo), maracujá (Passiflora eduli), uva (Vitis labrusca) e urucum (Bixa orellana L.). Os alimentos foram incubados no rúmen, por 16 horas para determinação da PNDR, sendo o resíduo da incubação submetido à digestão com solução de pepsina durante uma hora, e solução de pancreatina a 38°C, cujos resíduos foram analisados para nitrogênio total. A estimativa da PNDR das forragens variou de 13,37 a 83,6%, e dos co-produtos de 39,14 a 89,06%. A digestibilidade intestinal da PNDR das forragens variou de 26,09 a 80,68%, enquanto para os co-produtos de 22,26 a 76,82%. O sabiá foi a forrageira que apresentou a maior DI e o maior teor de proteína não degradada no rúmen digestível (PNDRd), e a flor-de-seda os menores valores; enquanto para os co-produtos, melão e caju apresentaram, respectivamente, os maiores valores de DI e PNDRd. O coco apresentou os menores valores para DI e PNDRd. Embora alguns sistemas de adequação de dietas para ruminantes considerem que a PNDR apresenta DI constante, os resultados obtidos sugerem que esta relação é variável.

Texto Completo: PDF

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Prezado autor,

Nosso periódico migrou para uma nova plataforma de submissão de manuscritos - ScholarOne Manuscripts. Novas submissões deverão ser feitas através do seguinte endereço:

http://mc04.manuscriptcentral.com/rbspa-scielo


Qualquer dúvida, entre em contato conosco.

________________________________________________

Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal - RBSPA
Universidade Federal da Bahia
Av. Ademar de Barros 500, Ondina.
Salvador-BA. CEP: 40.170.110
Telefone: 55 (71) 3283-6725
rbspa@ufba.br
________________________________________________